Como machine learning vem transformando indústrias e empregos pelo mundo – parte II

Homem trabalhando em uma fábrica

Num artigo anterior, introduzimos como Machine Learning, um subconjunto da inteligência artificial tem causado alterações em indústrias ao redor do mundo. Desde o sector de saúde, educação, transporte, à agricultura, a adoção desta tecnologia tem ajudado a resolver problemas complexos, prever cenários e tomar decisões rapidamente.

Neste artigo continuaremos a explorar as mudanças que esta tecnologia tem trazido, com enfoque para como trabalhadores de diferentes áreas de negócios serão afetados.

Conversas e medos relacionados a ideia de que robôs tomarão o emprego de humanos estão presentes desde a ocorrência de revoluções tecnológicas anteriores. Não constitui novidade o facto de que, à medida que a tecnologia avança, algumas pessoas perdem seus empregos.

A regra básica para entender as alterações laborais futuras, é que quanto mais manual e repetitivo for um trabalho, maiores são as chances de automatização. Profissões tais como funcionários de indústrias, taxistas e rececionistas são exemplos de grupos suscetíveis a substituição por robôs. Mas se você trabalha em áreas que dependem de entrada de elementos criativos e “habilidades sociais”, tais como escrita, design, planificação de eventos e trabalhos sociais, as chances de perder seu emprego são baixas.

Para lhe ajudar a descobrir se sua profissão tem alta ou baixa probabilidade de automatização visite os websites “will robots take my job” e “replaced by robots”.

Uma das coisas pouco mencionadas nas conversas ou artigos sobre a evolução da robótica e empregabilidade é a criação de novos títulos e postos de trabalho. Analistas de dados, designers de jogos e especialistas de redes sociais, são exemplos de algumas profissões que não existiam e eram inimagináveis há 20, 30 anos atrás, mas estão em alta procura no mercado. Porque a disponibilidade de profissionais habilidosos nessas áreas é baixa as ofertas salariais são bem maiores, se comparadas com empregos tradicionais.

O que se segue é uma lista de como empregos em diferentes indústrias têm sido transformados. Esta lista não está completa e se concentra nos sectores tradicionais e títulos que assistirão maiores transformações. Para saber sobre sectores e profissões não mencionadas nesta lista (porque têm baixas taxas de automatização) visite os sites mencionados acima, ou consulte o relatório econômico mundial.

Marketing e vendas

Rececionistas – Rececionistas em vários negócios serão substituídos por robôs capazes de apresentar ao visitante as informações que este procura. Máquinas automáticas serão capazes de detetar o idioma do visitante, a altura, as necessidades e outras informações relevantes e oferecer respostas adequadas.

Gestores de venda – Responder à mensagens de clientes, planificar campanhas e criar conteúdo são algumas tarefas que máquinas serão capazes de executar.

Transporte e logística

Empregos que serão automatizados

Trabalhadores de correios - Robôs serão capazes de tomar conta da distribuição de bens. A Amazon é um dos exemplos de empresas e startups que tem testado a entrega das compras feitas em seu website usando drones.

Gestores de armazéns – Organizar prateleiras, carregar caixas, marca-las, gerir ordens e outros trabalhos manuais feitos em armazéns são exemplos de áreas com grandes chances de ser automatizadas, na íntegra, futuramente.

Taxistas, motoristas de ônibus e camiões – Com diversas companhias como a Google (Waymo), Tesla e Uber desenvolvendo veículos autônomos, a necessidade de ter alguém a controlar o volante do veículo será desnecessária. Se completamente funcional, esta tecnologia possivelmente será instalada em ônibus e táxis.

As chances disso acontecer são tão grandes que grupos de taxistas em alguns locais tem lutado para aprovar leis que parem ou desacelerem o desenvolvimento e pesquisas de veículos autónomos, tais como Londres e India. Mas globalmente, isso parece impossível de travar.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Pilotos – Aviões vêm com um robô pré-instalado, designado “Auto piloto”, que pode controlar o avião até seu destino. Pilotos são necessários dentro de aviões hoje em dia para assegurar perfeição nas tarefas de decolagem e aterragem. Para além disso, eles estão nos aviões para manter os passageiros confortáveis, calmos (é estranho pensar que o avião esta a ser controlado por um robô quando estás dentro dele) e controlar situações de emergência, caso surjam. Embora o número de mortes associadas à acidentes aéreos seja baixo se comparado à acidentes entre viaturas, a ideia de ter carros autónomos soa melhor que aviões autónomos.

Finanças

Empregos que serão automatizados

Contabilistas e analistas financeiros – Máquinas conseguem analisar números e determinar seu significado mais rápido que humanos. Grande parte de previsões e simulações financeiras, assim como a preparação de documentos contabilísticos e financeiros hoje em dia são feitas usando computadores.

Assim como rececionistas assistentes de caixa e gestores de crédito são cargos com grandes chances de automatização.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Quants – Esta nova categoria de profissionais é composta por pessoas que combinam a informática com matemática para construir algoritmos que prevê alterações no mercado financeiro e capitalizem as oportunidades de negociação de títulos.

Exército e segurança pública

Empregos que serão automatizados

Soldados – A eficiência de drones em operações militares é algo que já foi colocado à testes nos últimos anos e provou ser positiva. O próximo passo na adoção da tecnologia em operações militares será o uso de robôs, o que permitirá a redução do número de fatalidades em campos de batalha.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Supervisores e detetives– Coletar evidencias de crimes e seguir todo o processo médico e legal é algo que, pela sua complexidade, dificilmente poderá ser automatizado.

Saúde

Empregos que serão automatizados

Médicos – Atualmente é possível ver robôs fazendo operações cirúrgicas em hospitais e clínicas ao redor do mundo. As operações mais sensíveis são feitas por cirurgiões especializados na área. Contudo, à medida que robôs se tornam mais inteligentes e precisos, as chances destes tomarem esta profissão são grandes.

Médicos também são vulneráveis à automatização porque a Inteligência Artificial têm evoluído rapidamente no diagnostico de doenças e coleção de dados úteis para recomendar os tratamentos adequados.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Assistentes sociais, terapeutas e fisiatras> – Robôs dificilmente entenderão a mente e emoções humanas com precisão, ou desenvolver compaixão e empatia. Por este motivo, dificilmente eles poderão substituir estes profissionais.

Construção

Empregos que serão automatizados

Operários de construção civíl – O esforço físico para carregar máquinas, materiais pesados ou alinhar tijolos é algo que pode ser providenciado por robôs. Na Austrália, a startup “Fastbrick Robotics”, produziu um robô capaz de alinhar 1000 tijolos em uma hora.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Arquitetos – Desenhar edifícios é uma tarefa que exige a entrada de ideias inovadoras e criativas que robôs dificilmente podem prover.

Indústrias e fabricas

Empregos que serão automatizados

Operários de fábricas – Este conjunto de profissionais tem assistido sua substituição por máquinas já há vários anos. Esta substituição não será interrompida nos próximos anos.

Empregos difíceis de automatizar ou novos

Mecânicos – Se os trabalhos serão desenvolvidos por máquinas, estas precisarão ser supervisionadas, mantidas e garantir-se seu funcionamento nos momentos necessários.

Agricultura

Agricultores – Robôs serão capazes de lavrar, plantar, monitorar e colher culturas melhor que humanos.

O que fazer para não ficar por fora?

Para abraçar as oportunidades de emprego que o mercado oferecer nesta nova revolução, você deve desenvolver capacidades que empresas tem dando grande valor.

O primeiro passo é saber como construir softwares ou máquinas. Se você não consegue construi-las, aprenda a usá-las com grande domínio ou tenha entendimento do processo de desenvolvimento. Não seja aquele tipo de pessoa que interrompe o colega ao lado para perguntar “como copiar um ficheiro” ou “enviar um email”. Ok, esses exemplos já estão ultrapassados, mas acredito que você entendeu a mensagem. Aprenda sobre as ferramentas que o mercado esta a usar ou demandará e tenha grande domínio delas.

Ser capaz de trabalhar em harmonia e entender robôs será uma habilidade necessária no futuro.

O segundo passo consiste em desenvolver um cérebro rápido. Aprenda como ler as informações que a máquina passar, rapidamente perceber seu significado e tomar uma decisão ou enviar a mensagem aos responsáveis por tomar a decisão.

A terceira habilidade necessária é a capacidade de manter segredo. Aprenda sobre como as leis de privacidade funcionam de acordo com a indústria ou país em que deseja operar. Regras como a GDPR foram criadas para proteger a informação de usuários online e garantir que estas não sejam usadas sem seu consenso.

Ou se torne experiente em evitar que sua empresa quebre essas regras, ou seja experiente em correr atrás dos infratores – em outras palavras seja um advogado especializado na área ou seja um profissional de sua área com conhecimentos jurídicos.

Estas são as habilidades básicas que lhe possibilitarão ter um emprego no novo mercado de trabalho. O melhor de tudo é que você não precisa ser graduado em informática ou se tornar um cientista maluco para não ficar atrás. Mas compreender ciência, tecnologia, engenharia e matemática te fornecerão uma grande vantagem.

O futuro não depende só da tecnologia

Assim como revoluções tecnológicas anteriores permitiram grandes melhorias no estilo de vida das pessoas e aumentaram o tempo livre para perseguir suas paixões, à medida que os robôs tomarem controle dos trabalhos básicos, humanos gravitarão para trabalhos que exploram sua criatividade – dança, música, pintura, escrita e conversa.

Caso o sector tecnológico ou outras opções de emprego futuras não lhe agradarem, você pode se tornar um músico, coreógrafo, designer – de qualquer área, um “conversador profissional/ conselheiro” ou qualquer outra coisa que envolva o entendimento das emoções de outro humano.

Notas Finais

Devemos aceitar que futuramente viveremos com robôs. Existem tarefas que estes conseguem fazer melhor que nós, tais como investigar milhões de páginas online para nos mostrarem a que estamos interessados, prever os resultados de um jogo de futebol em tempo real, ou fabricar roupas com cortes bem alinhados.

É seguro afirmar que humanos não ficarão desempregados, mas o que estes estarão a fazer em 2030, 2050 ou 2100 é desconhecido. Tudo depende do caminho que as tecnologias existentes e desconhecidas, até então, trazerem.

Reaja!

Junte-se a conversa deste tópico no Facebook e Instagram.

Artigos similares

Aprenda mais sobre a IA com nossa newsletter

Assine nossa lista de emails hoje e passe a receber as mais recentes informações sobre IA e outras tecnologias no seu email